quarta-feira, 10 de agosto de 2011

FAZER É IMPORTANTE

FAZER É IMPORTANTE




Fala-se, frequentemente, em “formação”. Devemos, entretanto, explicitar o seu caráter. Existem as formações militares, religiosas, político-reformistas e, além de tantas outras, a formação socialista. Uma formação socialista necessita de um bom embasamento conceitual, pois só assim se evita os constantes equívocos na caminhada política. Alguns resistem à insistência em levar avante uma formação calcada nos princípios do socialismo científico, argumentando que o importante é estar ligado ao movimento vivo das massas populares e com elas estabelecer um diálogo. Inegável é a importância dessa prática, mas é necessário ver a diferença entre o importante e o fundamental. Assim, dizemos: “fazer é importante, saber fazer é fundamental”.

Não existindo o “saber fazer”, vem o risco de se ter um diálogo equivocado com as massas. Na pretensa esquerda tem um segmento formado pelo PT-PSB-PCdoB, dotado de uma formação nacional reformista, que substitui a luta de classes pelo dogma, infundado, da contradição: nação opressora versus nação oprimida. Bem formados na escola do stalinismo, enveredam pela completa capitulação e o fisiologismo. Dizem que “estão fazendo”, que é importante “fazer”, mesmo sem levar em conta o que se faz ou a que se faz, quando sabemos que o “seu fazer” é a negação completa da causa socialista e um apoio mal simulado ao sistema socioeconômico vigente.

Um segmento menor procura postar-se, valentemente, como força anticapitalista. Esse segmento precisa criar mais robustez expurgando qualquer nível de ilusões e fantasias para, dessa forma, trilhar, coerentemente, pelos caminhos que nos levem à transformação social. E para isso, é preciso promover uma boa formação dos seus quadros militantes. Por termos isso como verdadeiro, é que insistimos na qualificação política dos quadros dessa esquerda, que se negou e se nega a deixar-se embalar pela fantasia das vias institucionais sem, contudo, negar que se deve participar de todas as disputas sempre no objetivo de somar forças e assim lograrmos a vitória.

2 comentários:

  1. i.g.cavalcante50@hotmail.com11 de agosto de 2011 13:22

    O que é possível se fazer sem educação? Se verificarmos, basicamente nada. Sem educação não existe qualquer possibilidade de avançarmos para o desenvolvimento. Por essa e outras razões a esquerda deveria aproveitar o máximo do conhecimento e dedicação do Gilvan, aos postulados do socialismo. Nunca haveremos de chegar ao socialismo, sem o preparo devido e a dedicação que a causa requer. "FAZER É IMPORTANTE", podemos dizer que é um grande chamamento e uma grande peça de arquitetura, para os que pensam e querem ver uma sociedade fraterna e humana, onde não exista nem explorador nem explorado. Parabéns, Gilvan!

    ResponderExcluir
  2. Muito bom Gilvan. Sua contribuição "É FUNDAMENTAL." Se todos refletissem e avaliassem a postura da tradicional esquerda, veriam a série de equívocos cometidos por ela. A formação deve ser a Socialista, e ela tem que ser de fácil entendimento para o povão. Deverá haver um esforço dos proletários e estes estudarem bastante para travar uma forte luta contra o Capitalismo.

    ResponderExcluir