sexta-feira, 27 de abril de 2012

FAZER QUALQUER COISA



            Diante do quadro de profunda crise social que vivemos, expressado nos violentos atos que vão das guerras localizadas, à violência urbana, à violência doméstica, sentimos o impulso natural de fazer qualquer coisa. Mas não é somente quanto à violência, que exibe homicídios e estupros. Some-se a esses nominados casos, a questão das crianças abandonadas, dos moradores de rua, da prostituição infantil, do crescimento das favelas, da falta de assistência médica à altura, e de educação de qualidade. Face tal cenário, há uma impulsão para que façamos alguma coisa, porém, é bom ressaltar que fazer alguma coisa não significa ter que fazer qualquer coisa. Devemos nos empenhar em buscar a causa de tantos malefícios, de tantas mazelas e, sabendo a causa, dirigir os nossos esforços conscientes para erradicar os males sociais que nos afligem e conquistar um mundo de igualdade, justiça e paz. Ora, para que procedamos como pessoas conscientes, pessoas dotadas do saber consequente, é necessário nos voltarmos para a causa de tantos desajustes, dentre os quais não poderíamos deixar de assinalar a constante e agressiva destruição da natureza, a destruição do planeta, a destruição da vida.
            O motivo desses desacertos tem um nome, chama-se capitalismo, e é contra esse inimigo da humanidade que devemos mover todos os nossos esforços, no empenho de viabilizar uma política calcada no lema: “fora o capitalismo, viva a vida”. Vale assinalar, entretanto, que somente uma força é capaz de eliminar o capitalismo e construir outro mundo: a força do povo consciente. Sendo o povo essa força capaz de proporcionar esse milagre da transformação, é necessário e urgente que nós, que possuímos a informação quanto à natureza do nosso inimigo, façamos tudo para que todos tenham essa consciência. É no anticapitalismo que está o caminho para nos libertarmos desse sistema, cuja razão de existir é a procura do lucro para uns poucos, enquanto a humanidade suporta sobre seus ombros as agruras de um viver de dificuldades e incertezas.

Um comentário:

  1. Ivanildo Cavalcante27 de abril de 2012 09:01

    O CAPITALISMO, foi totalmente ignorado no Programa político do Psol, que foi ao ar no dia de ontem 26/04/2012, às 20:30h. Deixou transparecer que esse MONSTRO, o CAPITALISMO, não tem inimigos. Que pena!...
    O mensalão, também foi esquecido, mesmo existindo a possibilidade do seu arquivamento. Se não aproveitarmos, as poucas oportunidades para denunciarmos o verdadeiro culpado pelas barbáries praticadas tão frequentemente contra a humanidade, estaremos perdidos.

    ResponderExcluir