sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

INDONÉSIA




            É claro que muitos são os fatos que desconhecemos. Nesse mundo gigante da ignorância de cada um de nós existem suas gradações. Por exemplo, não saber da existência e da importância dos EUA expressa um grau de profunda ignorância. Mas os diferente graus de desconhecimento não se restringem a um exemplo de tamanha envergadura como nossa referência aos EUA. Nos meios letrados, e até muito bem letrado, transita um nível de ignorância deveras assustador, a lista é grande, é quase infinda. Tomemos entre esses fatos que desafiam o nível de ignorância, mesmo dos bem letrados, tomemos o exemplo da Indonésia. Dentre os bem letrados, alguns sabem apenas que a Indonésia é um país asiático e predominantemente mulçumano. Aqueles mais informados, que chegaram a fazer tese de doutorado, sabem e são muito pouco os que sabem, que a Indonésia, no infame jogo da guerra fria, foi usada por ambos os lados, isto é, EUA e URSS, procurando o seu governante máximo Sukarno, manobrar de forma a tirar proveitos na ciranda política da Guerra Fria.
            Nessa política os russos capitaneados por Nikita Kruschev, defendiam o caminho pacífico para a conquista do socialismo, e tinham em Sukarno seu grande aliado, enquanto isso, os chineses, capitaneados por Mao Tse-Tung defendiam a tese da luta armada, a partir do princípio do campo cercando a cidade, através de uma guerra popular e prolongada. Enquanto isso, os EUA e seus aliados conviviam com a experiência levada a cabo por Kruschev e seus aliados procurando tirar partido das disputas e levando adiante uma política de conspiração que impusesse limites à chamada política progressista do senhor Sukarno.
            Esse limite chegou, e contra o governo progressista do Sr. Sukarno, foi desfechado um golpe de Estado liderado pelo general Suharto, que se transformou num banho de sangue, onde foi sacrificada uma cifra que vai de 300 a 500 mil pessoas, e o caminho pacífico do Sr. Kruschev desapareceu no ar, sem que houvesse um estudo necessário desse episódio histórico, Sukarno, na condição de chefe político e militar da Indonésia, foi agraciado com a medalha de honra auferida aos grandes heróis do socialismo, a medalha Vladimir Lênin. Ora, uma experiência como essa, não só mereceria ser estudada, como pelo menos conhecida nas suas linhas mais gerais, entretanto, assim como outros episódios, a história é jogada para debaixo do tapete.

Um comentário:

  1. Ivanildo Cavalcante3 de janeiro de 2012 12:16

    Temos que aproveitar o ensejo e denunciar o sistema capitalista. Fora Cid ou fora Dilma, são medidas paliativas, imediatista que não correspondem o pensamento de um socialista revolucionário. Isto é o mesmo que se tapar o sol com uma peneira. Sai Cid, entra outro qualquer, o trabalhador continua sendo explorado. Nossa luta deve ser, sempre, pela derrocada do sistema vigente. Palavra de ordem é: ABAIXO O CAPITALISMO!...

    ResponderExcluir