terça-feira, 13 de dezembro de 2011

GRANDE PALHAÇADA




            Uma pessoa no topo de uma montanha, a refletir sobre o mundo haveria de constatar que esse mundo é repleto de tragédias, dramas, momentos de alegria e de amargura. É claro que tudo isso não é movido por forças ocultas e caprichosas que se dão ao trabalho de desenhar os nossos destinos, sejam eles, dos ricos, repleto de alegria ou da massa de desvalidos, predestinados a amargarem uma vida de dissabor, habitando favelas, vivendo nos charcos ou até mesmo esmolando.
            Os absurdos são tantos, que os desencontros são infinitos, e a vida, se apresenta como uma sucessão de fatos embaralhados. A história da humanidade tem as suas leis e ela caminha em sua obediência, quase sagrada. Mas o que nos chama a atenção é o fato de que nossas vidas são conduzidas por conceitos, pré-conceitos, lendas, fantasias, mentiras... Uma das grandes mentiras, que é espalhada mundo afora, chega a ter o odor repelente da palhaçada. E elas não são poucas também, apenas pouco a percebemos. Dentre esse conjunto de palhaçadas, que formam as nossas crenças, os nossos saberes, os nossos valores, existem aqueles que se revestem de uma roupagem popular e existem aqueles que se revestem da purpurina da erudição. Mas, ambas, mentirosas, ambas palhaçadas. Tipo: “o petróleo é nosso”, “a Amazônia é nossa”, “as terras são nossas”, “as minas são nossas” e até “os bancos são nossos”...
            Com a derrota da Revolução Russa, os princípios foram substituídos pelos dogmas, e assim estabeleceu-se: nação opressora x nação oprimida. O velho Manifesto Comunista, esteio dos princípios do socialismo revolucionário, foi jogado na cesta do lixo, e a velha frase: “A tarefa de libertação dos trabalhadores, será obra dos próprios trabalhadores”, foi substituída pelo dogma de partidos libertadores, uma fraude, uma grande palhaçada. Cabe-nos tentar demover todo esse entulho que o stalinismo nos legou nesses últimos noventa anos de existência. E isso é uma tarefa da maior urgência histórica possível e dela não podemos renunciar sob pena do suicídio social.
           

3 comentários:

  1. i.g.cavalcante50@hotmail.com13 de dezembro de 2011 11:26

    Camarada Gilvan Rocha, gostaria de ouvir sua opinião a respeito do assunto abaixo: quanto ao artigo, farei comentário posteriormente.
    O PSOL/Ceará, deu um passo muito importante com a criação de um Coletivo de Formação Política. Entendemos que é absolutamente indispensável a formação de quadros, dentro do conceito de socialismo científico, observando os preceitos de Karl Marx e Friedrich Engels. O Coletivo de Formação Política, aqui no Ceará, não tem corrente política, não defende pessoas, defende princípios e idéias. Estamos certos, que teremos grandes resultados, dentro dessa corrente de pensamento.

    ResponderExcluir
  2. Grande amigo Gilvan, obrigada pelo envio do livro "ABC Do Comunismo". Admiro-te cada vez mais. Grande abraço.

    ResponderExcluir
  3. Prezado Gilvan.
    Leitor assíduo dos teus textos, siceramente não gostei do têrmo "palhaçada", acho que deveria usar outro adjetivo, pois "palhaçada" pertence ao mundo do circo.Há uma confusão muito séria a esse respeito.

    ResponderExcluir